Ouça Na radiosnet

domingo, 4 de agosto de 2019






É, nação Rubra! Tivemos uma quarta-feira épica, histórica! Uma quarta-feira de fazer o             sangue ferver. Uma final de primeiro turno entre o Mecão e o Bonsucesso - até então dito o                  melhor time de todo o campeonato, da série B1 carioca. O Bonsucesso, até então, não tinha                perdido nenhum jogo, o que fez dessa última partida extremamente emocionante. Torcida            alugada do Bonsucesso, vários jovens empurrando e cantando o tempo inteiro, e nós lá.              Aquela boa e velha, cansada torcida Rubra.

Torcida Eternamente America, Mangua Sangue, Sangue Jovem - cujo torcedor mais jovem            deve ter sessenta anos. Estávamos todos lá torcendo pelo nosso Mecão. Enfim, bola rolando, tudo começa (inclusive as nossas alegrias). Eu já tinha previsto o placar num bate-papo informal com amigos, de 4x2 pro nosso Mecão. Tinha falado que 2 seriam do   Babi - Babi, não! Babigol! Um seria do Pedrinho e o outro do Kunzel. No entanto, apesar de ter acertado a maioria, não foi Kunzel quem fez um dos gols, mas Chayene.

O tempero da partida foi espetacular. Sangue quente, fervendo, disputas... O juiz deixou um              pouco a desejar. Não pegou pesado como deveria ter feito numa decisão e isso custou a                expulsão de dois jogadores, um de cada lado. Um zagueiro do Bonsucesso, o Wallace e               Robinho do America, que não vinha muito bem na partida mas estava compondo bem as               puxadas de contra-ataque.

Pro America isso foi fantástico, porque o treinador do Bonsucesso não colocou ninguém no              lugar do zagueiro expulso e sim recuou um cabeça de área para aquela posição. O America                cresceu, depois de uma virada do Bonsucesso, chegou ao empate e logo, pela velocidade dos seus contra-ataques, revirou o jogo pra 3x2. Aí os ânimos já estavam acirrados, em plena Moça Bonita e aquele calor infernal de Bangu.

Cabeças quentes e o juiz ainda assim economizando os cartões amarelos, o Bonsucesso  teve mais um jogador expulso! Aí a torcida rubra já estava em festa, homenageando  Luizinho! Luizinho Guerreiro! Ele, que começou essa B1 como nosso treinador, o perdemos  para um enfarto. Perdemos nosso ídolo pela falta de dinheiro, por um clube sem estrutura.

Queremos de volta nesse segundo turno o nosso amado Giulite Coutinho, queremos entender cadê a pintura e a estrutura prometida pro America. Estrutura essa que foi  vilipendiada e negada pelos seus diretores, que só querem sugar o sangue e os cofres do  nosso Mecão - que nem mais sede tem e pelo andar da carruagem, muito menos estádio.

Chegamos aos 4x2 através do Chayene em Moça Bonita e assim, ao título, à Taça Santos                Dumont. A torcida eufórica acreditando que tudo é possível para voltar à elite do futebol               carioca. Eu sou mais um deles que acredita que o Mecão vai estar jogando contra os                grandes, entre os grandes em 2020 - porque ali é o seu lugar. Vai, Mecão!

Hoje começa mais uma Taça Corcovado, o segundo turno. Estamos no frio de Petrópolis,  mas o nosso sangue é quente. Vem três pontos! Parabéns, Ney Barreto! Você tem feito a  diferença. Parabéns, America! Você dentro de campo nos faz extravasar emocionalmente, aquela angústia presa na garganta.

Mais uma vez, é campeão! 2020 nos aguarda.

Saudações rubras, Hugo Luz.

0 komentar:

Postar um comentário

Assine nosso canal - Youtube

#VemComNós

Os maiores campeonatos do planeta você ouve aqui!

Parceiros

Resenha Esportiva